imagem com o número 100 junto ao símbolo do sistema PJe

01/06/2021 19:17

Equidade Racial: Terceiro eixo do Fórum abordou a importância da inclusão social das vítimas de discriminação

Início do corpo da notícia.
Início do corpo da notícia.

LogoForumX3 (3).jpgO terceiro eixo do Fórum pela Equidade Racial, promovido pelo Foro Trabalhista de Caxias do Sul, abordou o tema “Entidades jurídicas e Estado Democrático”. Clique nos links ao final de cada parágrafo para assistir às palestras e acesse, ao final do texto, as outras matérias sobe o evento. 

rudimar.jpgO debate foi aberto com a palestra do presidente da Subseção da OAB/Caxias do Sul, Rudimar Brogliato. O advogado falou sobre o racismo estrutural velado existente no País, que na maior parte dos casos sequer chega aos tribunais. Para ele, as vítimas de discriminação não chegam a postos de trabalho de destaque ou nem conseguem emprego, problema que se inicia com a falta de acesso à educação. Ele defende que entidades jurídicas devem se engajar na discussão e em iniciativas para erradicar o que chamou de círculo vicioso. Ao concluir, Brogliato mencionou a iniciativa do Conselho Federal da OAB, de criar cotas raciais e de gênero para a disputa das eleições da entidade. (confira o vídeo aqui)

luciane.jpgCom foco nas discussões atuais sobre a pandemia, a juíza do Trabalho Luciane Cardoso Barzotto falou sobre princípios ligados ao acesso à vacina e suas relações com os Direitos Humanos e Direito do Trabalho. A magistrada abordou o acesso universal aos imunizantes, sem qualquer tipo de discriminação, o direito à vida e à saúde. Ela relatou situações que podem surgir no mundo do Trabalho, a partir da crise sanitária da Covid-19, considerados o direito à proteção e a obrigatoriedade de realizar a imunização. “Vamos ter que discutir, no futuro, se a exigência da vacinação será uma forma de discriminação ou uma garantia de segurança para a coletividade. É preciso que entendamos que quem não pode se vacinar fica protegido pelos que podem. A vacinação é muito em função do outro. De todos os comportamentos cruciais no enfrentamento à pandemia, a fraternidade é uma relação simétrica, na qual os deveres se repartem entre todos, empregadores e empregados”, finalizou a juíza. (assista ao vídeo neste link)

Paula.jpgA advogada Paula Comunello Soares, também de Caxias do Sul, falou que o racismo é tão presente na estrutura social brasileira que dificilmente se veem pessoas negras, pardas ou indígenas em posições de destaque em empresas ou no setor público. “Nunca tivemos um presidente negro e houve apenas um ministro do STF (referindo-se a Joaquim Barbosa). Isso também é resultado do fato de que o Brasil foi o último País a abolir a escravidão”, afirmou. Paula ainda lembrou que indígenas e negros são a maioria da população das periferias e instituições carcerárias, sem acesso a medidas de inclusão social. “É fundamental que a sociedade se engaje em políticas inclusivas, principalmente as ligadas a cotas na área da educação, para que essas pessoas possam ingressar nas instituições, permanecer estudando e passem a frequentar locais que hoje não têm acesso”. (confira o vídeo)

Ana Lúcia.jpgA procuradora do Ministério Público do Trabalho (MPT/RS) Ana Lúcia Stumpf Gonzalez falou sobre a atuação do órgão na fiscalização, promoção e conscientização relativas a temas ligados à exclusão social e discriminação no Trabalho. A procuradora destacou, ainda, a atuação da Coordenadoria Nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades - Coordigualdade. Ana Lúcia relatou o episódio recente, com repercussão nacional, de uma rede de lojas que realizou uma seleção para cargos estratégicos destinada, exclusivamente, a candidatos e candidatas negros e negras. À época, o MPT emitiu nota técnica sobre o caso, considerando o processo seletivo correto. “No enfrentamento da desigualdade, o MPT pode auxiliar empresários para a adoção de iniciativas como essa. Também é preciso promover ambientes de trabalho livres de assédio, ambientes saudáveis que permitam a diversidade”, concluiu. (assista ao vídeo)

Roberta.jpgO eixo 3 da tarde foi encerrado pela servidora integrante do Comitê de Equidade  de Gênero, Raça e Diversidade do TRT-RS, Roberta Liana Vieira. A servidora destacou o papel do Comitê criado em 2017 para o caráter democrático do Tribunal. Ela falou de três ações importantes promovidas pelo Comitê, como o Fórum de Educação Antirracista, que chegará a sua terceira edição no próximo mês de novembro; a atuação em um caso concreto ocorrido com um oficial de justiça, quando o profissional e seus familiares foram acolhidos ; e o livro e documentário de memórias, que vai contar a história de magistrados e servidores negros e negras. Para ela, a História do Trabalho no Brasil tem quase quatro séculos de trabalhos forçados que não podem ser esquecidos. “O mínimo que se espera de um Estado Democrático é a aceitação e a valorização das diferenças”, ressaltou Roberta. (confira aqui o vídeo)

O Fórum pela Equidade Racial foi realizado pelo Foro Trabalhista de Caxias do Sul em parceria com o Comitê de Equidade de Gênero, Raça e Diversidade do TRT-RS, com o apoio e a participação de diversas instituições e entidades. 

Leia também as outras matérias sobre o evento: 

Abertura do Fórum destaca a importância da diversidade e do combate ao racismo

Fim do corpo da notícia.

Fim do corpo da notícia.
Fonte: Sâmia de Christo Garcia (Secom/TRT4).
Tags que marcam a notícia:
horizonteequidade
Fim da listagem de tags.

Últimas Notícias

Mao branca segurando tres formas humanas ao lado esquerdo do texto: Trabalho Seguro Programa nacional de Prevencao de Acidentes de Trabalho Crianca desenhando arcos verde e amarelos em funco cinza ao lado esquerdo do texto: Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estimulo à Aprendizagem. Texto brando sobre fundo cinza: PJe Processo Judicial Eletronico 3 arcos laranjas convergindo para ponto tambem laranja em canto inferior direito de quadrado branco, seguidos pelo texto: execucao TRABALHISTA mao branca com polegar riste sobre circulo azul ao lado esquerdo do texto: Conciliacao Trabalhista