06/06/2019 15:02

Exposição no Memorial reconstrói a história da Justiça do Trabalho por meio de materiais doados

Início do corpo da notícia.

05 - Memorial - Abertura de Exposição 810x584.jpg

Com objetivo de contar a história da Justiça do Trabalho por meio de objetos, documentos e imagens, a exposição “Acervo doadores: 2017 e 2018” foi inaugurada ontem, terça-feira (4), no Memorial da Justiça do Trabalho do Rio Grande do Sul. Todos os materiais que compõem a mostra foram doados por pessoas ligadas ao judiciário trabalhista — de servidores e juízes a advogados e pesquisadores. A cerimônia contou com a participação da presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS), desembargadora Vania Cunha Mattos, e do integrante da Comissão Coordenadora do Memorial, desembargador João Paulo Lucena.

Acesse o álbum de fotos do evento.

Em sua fala, Lucena lembrou das origens do Projeto: “iniciou com a intenção de se fazer um pequeno vídeo de três ou quatro minutos por ocasião do aniversário de 50 anos da Agetra". "E, a partir de uma passagem minha pelo átrio do Tribunal, vi fotografias antigas”, relembrou o magistrado. As imagens, segundo o desembargador, chamavam atenção de todos que transitavam, despertando sentimentos bons naqueles que as contemplavam. Surgiu, daí, a ideia de criar o Acervo, com fotos e objetos doados que buscam reconstruir a história do TRT-RS. Lucena também destacou a série Registros, que remonta as origens da JT por meio da história de pessoas que fazem ou fizeram parte do TRT-RS — um dos personagens lembrados pelo magistrado foi o doutor Russomano, advogado de Pelotas que acompanhou a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) desde o início, há 70 anos. “Ele passou por toda a evolução do Direito do Trabalho”, destacou o desembargador.

A presidente Vania também apontou para a importância de se preservar a história. “Eu diversas vezes já doei objetos meus e sempre com muita alegria”, afirmou a desembargadora. “A Justiça do Trabalho é uma grande família e todas essas histórias têm que ser preservadas”, declarou. Segundo a magistrada, é importante preservar, além da história, a memória das pessoas que a fazem: “eu sou partidária de que as pessoas não sejam esquecidas”.

Fim do corpo da notícia.
Fonte: Secom/TRT-RS
Tags que marcam a notícia:
memorialexposições culturais
Fim da listagem de tags.

Últimas Notícias

Capacete branco sob texto tambem em branco: Trabalho Seguro Crianca desenhando arcos verde e amarelos em funco cinza ao lado esquerdo do texto: Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estimulo à Aprendizagem. Texto brando sobre fundo cinza: PJe Processo Judicial Eletronico 3 arcos laranjas convergindo para ponto tambem laranja em canto inferior direito de quadrado branco, seguidos pelo texto: execucao TRABALHISTA mao branca com polegar riste sobre circulo azul ao lado esquerdo do texto: Conciliacao Trabalhista