Ir para conteúdo Ir para menu principal Ir para busca no portal
Logotipo TRT4

Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região

Rio Grande do Sul

Informações ao Cidadão
16/04/2019 15:32 compartilhe:

Exposição “Percursos da Arte: Prisão, Saúde e Trabalho” é inaugurada no Foro Trabalhista

Início da galeria de imagens.
Esculturas e pinturas integram a exposição.
Fim da galeria de imagens.
Início do corpo da notícia.

Desenvolvida especialmente para ser exposta no TRT-RS, a mostra “Percursos da Arte: Prisão, Saúde e Trabalho” foi inaugurada no Espaço Lenir Heinen, do Foro Trabalhista de Porto Alegre, nessa segunda-feira (15). A ocasião contou com a presença da presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), desembargadora Vania Cunha Mattos, do coordenador da Comissão de Cultura do TRT-RS, desembargador João Paulo Lucena, dos responsáveis pelos projetos, Aloizio Pedersen e Celso Rodrigues, e de três artistas - Cláudio Ribeiro, Edo May e Elvis Esteves -, além de servidores e magistrados, incluindo a presidente da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 4ª Região (Amatra IV), juíza Carolina Hostyn Gralha, entidade apoiadora do projeto.

Acesse fotos da inauguração.

O projeto é composto por dois trabalhos distintos: o Artinclusão, com telas pintadas por internos do Instituto Psiquiátrico Forense sob orientação do artista plástico Aloizio Pedersen, e o "Direitos Humanos na Prisão", desenvolvido pelo sociólogo Celso Rodrigues e que leva ações de inclusão e reinserção a apenados da Cadeia Pública de Porto Alegre. Esse projeto deu origem às obras do escultor Elvis Esteves, desenvolvidas com ferros velhos apreendidos pela Polícia em desmanches. Segundo a presidente do TRT-RS, a exposição está inserida na política da Justiça Trabalhista de se aproximar da sociedade – neste caso, em especial, das instituições que têm o propósito da superação pela arte. “Essa é uma forma real, objetiva e tangível de recuperação do ser humano”, afirmou a presidente. Vania também lembrou de uma conquista da Artinclusão: em janeiro, a exposição passou pelo continente europeu. O projeto esteve em seis instituições acadêmicas de Portugal e foi muito bem recebido pela comunidade, de acordo com a magistrada.

O coordenador da Comissão de Cultura, desembargador João Paulo Lucena, chamou a atenção para a importância de dar espaço a projetos tão relevantes para a sociedade. “O mais importante é a visibilidade que esses artistas espetaculares precisam porque, na nossa mídia, vemos todos os dias que as notícias que interessam e que vendem são aquelas de natureza negativa. Nós temos aqui um trabalho lindíssimo”, apontou Lucena. Para Celso Rodrigues, esse tipo de ação é transformadora não só para os artistas envolvidos, mas para toda a comunidade. “Os objetos foram transformados, os artistas são transformados e nós, quando vemos, também somos transformados”, avaliou.

Cláudio e Edo, do Instituto Psiquiátrico Forense e autores de algumas pinturas expostas, agradeceram o espaço e a presença do público na inauguração da exposição. Elvis Esteves, criador das esculturas expostas no local, falou sobre sua reinserção – que, segundo ele, só aconteceu por conta da arte. Ele comparou sua trajetória às próprias obras: “Eu fui me transformando assim como um ferro velho, retorcido, que ninguém dá valor; ou uma madeira suja, empoeirada. Por dentro, eles ainda têm a essência”. Aloizio Pedersen encerrou o evento fazendo um pedido: “Não nos deixem e estejam mais conosco porque, no fundo do cárcere, nós somos muito sós”. Ele agradeceu o apoio dado pelo TRT-RS aos projetos e destacou que, a partir de agora, a Justiça Trabalhista também faz parte deles. “Que esse seja um lindo marco para esses dois projetos dentro da instituição que melhor nos acolheu”, frisou Pedersen.

Fim do corpo da notícia.
Fonte: Texto de Leonardo Fidelix e fotos de Inácio do Canto (Secom/TRT-RS)
Tags que marcam a notícia:
exposição
Fim da listagem de tags.

Últimas Notícias