imagem com o número 100 junto ao símbolo do sistema PJe

03/06/2022 14:42

Palestra da ministra Morgana Richa marca a retomada das atividades presenciais da Escola Judicial do TRT-4

Início da galeria de imagens.
Desembargador João Paulo Lucena, presidente Francisco Rossal, ministra Morgana Richa, vice-presidente Ricardo Martins Costa.
Desembargador João Paulo Lucena, presidente Francisco Rossal, ministra Morgana Richa, vice-presidente Ricardo Martins Costa.
Presidente Francisco Rossal.
Presidente Francisco Rossal.
Juiz Cesar Zucatti Pritsch.
Juiz Cesar Zucatti Pritsch.
Ministra Morgana Richa.
Ministra Morgana Richa.
Fim da galeria de imagens.
Início do corpo da notícia.

Nesta manhã (3/6), a ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Morgana de Almeida Richa discorreu sobre “A força normativa do precedente e a rescindibilidade da coisa julgada no Código de Processo Civil/2015”. A exposição foi seguida por uma mesa-redonda da qual participaram também o diretor da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, desembargador João Paulo Lucena, e o juiz Cesar Zucatti Pritsch, que atuou como mediador. O presidente do TRT-4, desembargador Francisco Rossal de Araújo, recebeu a palestrante e destacou a importância do evento, o primeiro após a plena retomada das atividades presenciais na instituição. 

Em sua exposição, a ministra refletiu sobre a importância que o Poder Judiciário assumiu a partir do final do século XX, como fonte de resposta aos anseios da sociedade. A partir desse fenômeno, segundo a magistrada, houve um aumento da litigiosidade e, consequentemente, do número de ações ajuizadas, fazendo-se necessário o aprimoramento da gestão dos processos. 

A partir da Constituição Federal de 1988, continuou, houve uma progressiva valorização dos precedentes. Mas foi a reforma do Poder Judiciário, que tramitou por aproximadamente 13 anos e culminou na Emenda Constitucional nº 45/04, que trouxe o avanço mais significativo. “Com a Emenda Constitucional 45/04, foi criada a súmula vinculante, a partir da qual teses abstratamente firmadas passaram a orientar todo o sistema judicial, de modo que decisões reiteradas passam a ter efeito vinculante geral. O segundo aspecto foi o instituto da repercussão geral, um filtro para questões constitucionais relevantes do ponto de vista econômico, social, jurídico e político, ou seja, questões que ultrapassem o interesse subjetivo da causa”, explicou a ministra. Ela destacou que o objetivo final da uniformização da jurisprudência é obter segurança jurídica, paridade de julgados, tratamento isonômico e previsibilidade, além de reduzir o número de ações sobre o mesmo assunto. “Esse sistema veio para ficar, de modo que precisamos nos debruçar sobre ele e estudá-lo. Nós somos os protagonistas dessa mudança estruturante do Direito”, complementou. 

A palestra da ministra Morgana integra o “Projeto Visão do Funcionamento e Formação da Jurisprudência do TST”, iniciativa que busca estimular a harmonização jurisprudencial entre TRT-RS e TST, a partir do estudo de casos concretos em temas relevantes. 

Palestrante

A ministra Morgana de Almeida Richa é paranaense, de Toledo. Graduou-se em Direito pela Universidade Federal do Paraná em 1990, tendo atuado como advogada até o ingresso na carreira da magistratura do trabalho, em 1992. Foi diretora da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho e vice-presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros.

No campo acadêmico, é doutora e mestre em Direito Constitucional pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, com linha de pesquisa voltada ao acesso à  justiça por meio de políticas públicas judiciárias. É membro da Academia Brasileira de Direito Constitucional. É autora de artigos científicos e da obra “Políticas Públicas Judiciárias e Acesso à Justiça”, além de ter sido corresponsável pela coordenação do livro "Conciliação e Mediação: a estruturação da Política Judiciária Nacional".

Integrou o Conselho Nacional de Justiça entre 2009 e 2011, ocasião em que presidiu a Comissão de Acesso à Justiça e Cidadania, responsável pela condução dos programas de conciliação e mediação nos Tribunais do país. No CNJ, também coordenou as Jornadas da Lei Maria da Penha, no enfrentamento das questões envolvendo violência física e psíquica contra a mulher.

Foi coordenadora do Comitê Gestor Nacional do Programa Trabalho Seguro, no biênio 2014/2015. Atuou como coordenadora da Escola Judicial do TRT-PR em  2018 e 2019. Integrou a Comissão Examinadora da Prova de Sentença do primeiro concurso nacional para a magistratura do trabalho, em 2018. Foi expositora e tutora nos cursos de formação inicial da Enamat, dentro do eixo Eticidade. Integrou o grupo gestor responsável pela Resolução 305/19 do CNJ, que estabelece os parâmetros para o uso das redes sociais pelos membros do Poder Judiciário.

Fim do corpo da notícia.
Fonte: Bárbara Frank - Secom (TRT-4).
Tags que marcam a notícia:
capacitação
Fim da listagem de tags.

Últimas Notícias

Mao branca segurando tres formas humanas ao lado esquerdo do texto: Trabalho Seguro Programa nacional de Prevencao de Acidentes de Trabalho Crianca desenhando arcos verde e amarelos em funco cinza ao lado esquerdo do texto: Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estimulo à Aprendizagem. Texto brando sobre fundo cinza: PJe Processo Judicial Eletronico 3 arcos laranjas convergindo para ponto tambem laranja em canto inferior direito de quadrado branco, seguidos pelo texto: execucao TRABALHISTA mao branca com polegar riste sobre circulo azul ao lado esquerdo do texto: Conciliacao Trabalhista