TRT 4  Tribunal Regional do Trabalho Quarta
        Região
A+   A-  |  Início |  Fale Conosco |  Mapa do Site
Notícias
31/07/2017 13:50 | Audiência coletiva alerta para importância da Aprendizagem para jovens em vulnerabilidade social
Imagem

Em ação conjunta organizada entre Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), Procuradoria Regional do Trabalho da 4ª Região (MPT-RS), Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (MP-RS) e o Ministério do Trabalho (MT), uma audiência coletiva sobre a Lei do Aprendiz será realizada no Plenário do TRT-RS (Av. Praia de Belas, 1.100), em Porto Alegre, na tarde de 3 de agosto. Para a ocasião, foram convocadas 350 empresas sujeitas à legislação, com o propósito de esclarecer os empregadores sobre o dever legal e social da contratação de aprendizes.

Neste ano, a audiência destacará a importância de se priorizar a aprendizagem para jovens em situação de vulnerabilidade. Para tanto, representantes de diversas entidades apresentarão diferentes dados e pontos de vista, corroborando a necessidade dessa orientação nas contratações. Além disso, dois jovens que tiveram formação pela aprendizagem darão depoimentos sobre os benefícios desse modelo de ensino profissionalizante. Apresentações musicais e teatrais de grupos formados por jovens também integram a programação do evento.

Aprendizagem

A Lei da Aprendizagem (10.097/2000) determina que as empresas de médio e grande porte contratem um número de aprendizes equivalente a um mínimo de 5% e um máximo de 15% dos trabalhadores existentes, cujas funções demandam formação profissional. Esses jovens devem ser inscritos pela empresa em cursos de aprendizagem, oferecidos pelo “Sistema S” (Sesi/Senai/Senar/Senat/Sescoop), escolas técnicas e entidades sem fins lucrativos cadastradas no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Apesar da obrigatoriedade para empresas maiores, toda organização pode ter aprendizes, desde que o faça dentro da lei. A norma é uma garantia de que o jovem não deixará os estudos pelo trabalho, já que exige a manutenção da educação formal, além da técnico-profissional.

De acordo com a legislação, a contratação tem um prazo determinado de, no máximo, dois anos. Para participar, os jovens devem ter mais de 14 anos e menos de 24, e precisam ter concluído ou estar cursando o ensino fundamental ou médio. Dessa forma, fica garantida a uma parcela significativa dos jovens brasileiros a necessária qualificação para acessar postos de trabalho que demandam profissionais cada vez mais habilitados. 

Para as empresas, além de aumentar a oferta de mão de obra capacitada, proporciona a formação de jovens trabalhadores mais comprometidos com a cultura empresarial de quem os contrata. Ao adotar a lei, os empresários também promovem a inclusão social, oferecendo aos jovens a oportunidade do primeiro emprego.

No Brasil, o trabalho é totalmente proibido até os 16 anos de idade, salvo na condição de aprendiz, a partir dos 14. Assim, a aprendizagem é uma das maneiras de se enfrentar a precariedade do trabalho infantil e combinar educação e qualificação no trabalho, permitindo que os jovens tenham garantias trabalhistas, segurança e remuneração justa. 

De acordo com a Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2015, havia 2,7 milhões de crianças e adolescentes entre 5 a 17 anos em situação irregular de trabalho no país. Deste número, 2,3 milhões (85%) são adolescentes entre 14 e 17 anos - faixa etária apta à aprendizagem.

Programação 

  • 13h30min: credenciamento das empresas convocadas;
  • 14h: abertura do evento;
  • 14h45min: apresentação artística;
  • 15h: audiência coletiva, com a manifestação dos representantes das instituições promotoras da audiência e apoiadores, além de dois jovens que foram aprendizes.

 


Fonte: (Secom/TRT-RS)


Anterior Próxima

Retornar